Estabiliza o nível de endividamento do consumidor de Maceió

sites/default/files/user-197/pagina/imagens/img_4149.jpg

Pelo segundo mês consecutivo, o nível de endividamento do consumidor da capital alagoana manteve o mesmo percentual: 68%. Enquanto o percentual de consumidores com dívidas estagnou, a taxa de inadimplência apresentou um ligeiro aumento. Em maio registrou 4% e, neste mês de junho, subiu para 4,8%, não representando alteração significativa. Os dados são da pesquisa desenvolvida pelo Instituto Fecomércio de Estudos, Pesquisas e Desenvolvimento (IFEPD), em parceria com o Banco do Nordeste do Brasil (BNB).

Apesar de ter subido, a taxa de inadimplência continua relativamente baixa para o padrão brasileiro, pois situando-se na faixa registrada (4,8%), não é motivo de preocupações para o mercado da capital alagoana.

 De acordo com o levantamento, do percentual dos consumidores endividados, 34,3% afirmaram estar em dia com suas dívidas enquanto 34,2% deixaram de pagar suas contas na data do vencimento - percentual um pouco acima do registrado em maio (31,6%).

O Comprometimento da Renda Familiar (CRF) dos consumidores com pagamentos de dívidas voltou a ficar na casa dos 40%, percentual classificado como alto para os padrões considerados seguros (30%). Embora tenha ficado acima da margem de segurança, o índice registrado este mês ficou abaixo da média padrão dos últimos 12 meses.

 

Análise

Segundo análise do Instituto Fecomércio, os resultados de junho foram tranquilos e demonstram o comportamento do consumidor de Maceió, que continua realizando suas compras normalmente com responsabilidade e honrando os compromissos financeiros assumidos. As pressões do movimento de endividamento no último trimestre do ano passado, quando o mercado entrou em fase de vendas para o período natalino, já arrefeceram e a tendência é a melhora dos indicadores nos próximos meses.

Os cartões de crédito continuam liderando o ranking como a forma mais utilizada para realizar compras adquirindo novas dívidas (56,6%). Por sua vez, o cheque especial é a modalidade menos usada pelos consumidores no ato das compras (4,4%).

Os tipos de despesas que mais pesaram nas dívidas dos consumidores em maio foram: outros produtos e serviços (35,6%), alimentação (29,6%), educação (27,8%), vestuário (19,2%), tratamento de saúde (14,3%), aluguel residencial (12,9%), seguros (9,4%), reforma residencial (6,7%), eletrodomésticos (4,1%), eletroeletrônicos (3,7%) e móveis residenciais (3,5%).

Segundo a pesquisa, o desequilíbrio financeiro como causa para elevação dos níveis de endividamento vem diminuindo sua participação de 76,4%, em abril, para 54,1%, em maio, e 51,7%, em junho. O adiamento nos pagamento para o uso dos recursos com outras finalidades aumentou de participação, motivando 23% do endividamento do consumidor de Maceió.

A pesquisa completa está disponível no endereço www.fecomercio-al.com.br/ifepd/

Sobre o Sindicato

Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado de Alagoas

  • Endereço:
    Rua Sargento Aldo de Almeida, 91 A - Pinheiro
  • CEP: 57055-510
  • Processo: 049
  • Telefone(s):(82) 3371-3104
  • Email contato: sincofarma-al@fecomercio-al.com.br
  • Presidente:
    JOSÉ ANTÔNIO VIEIRA